Petrobras: se fosse devagar, iria mais longe

20 de junho de 2022
A troca na presidência da companhia mostra que os constantes aumentos nos preços dos combustíveis estão incomodando.

A Petrobras implementou o PPI (preço de paridade internacional) em 2016, durante a presidência de Pedro Parente. Tal medida permitiu que a companhia não só diminuísse as dívidas, que eram gigantescas, como pudesse chegar aos dias de hoje e entregar lucro para o governo e seus acionistas minoritários. Entretanto, essa mesma mudança, que permitiu que a Petro se tornasse um negócio sustentável, é também o motivo da grande tensão que fez com que o presidente José Mauro Coelho renunciasse hoje, dia 20, ao seu cargo.

Essa troca na presidência da companhia, assim como a última, de Joaquim Luna, mostra que os constantes aumentos nos preços dos combustíveis estão incomodando. Dessa vez, o presidente durou cerca de dois meses no cargo e saiu logo após anunciar um reajuste de 5% na gasolina e de 14% no diesel.

A questão é que sim, é importante para a companhia manter a paridade para dar continuidade ao trabalho de sua melhoria, mas também é importante saber que, dado o contexto político e econômico mundial e, fazer isso, da forma que foi feito, gera em minha análise mais riscos para a companhia do que benefícios.

Temo por dois fins para essa história: a total ruptura do PPI por meio de uma intervenção direta e/ou o aumento dos impostos sobre ela em uma intervenção indireta. Nesse segundo caso, pode inclusive acontecer como foi com os bancos, um aumento abre precedente para outro e, quem sabe, para outras empresas que também estão gerando lucros recorde no período, como as exportadoras.

 

Nícolas Merola (CNPI)

Nota do editor: se você opera no mercado de ações e quer ter ganhos consistentes (na alta ou na baixa do mercado)… Conheça uma estratégia que pode proteger sua carteira das oscilações da Bolsa e gerar ganhos de forma recorrente. Clique aqui e saiba mais.

Conheça o responsável por esta edição:

Nícolas Merola

Ações e Fundos de Investimento

Formado em Engenharia Civil pela UVA (Universidade Veiga de Almeida - RJ) em 2017 e com MBA pelo IBEC/INPG em 2018. Nícolas começou a estudar sobre investimentos ainda no início de sua faculdade, quando se apaixonou pelo assunto. Depois de atuar por mais de três anos no mercado de renda variável, de forma autônoma, se juntou em 2019 ao time de especialistas da Inv.

A Inv é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240