Do Mercado #31: Pêndulo do preço

20 de dezembro de 2021
Há um movimento de característica mais extremo que relaciona a indústria e a classe dos ativos brasileiros, a dinâmica entre o subir e romper e o baixar e despencar é o que Rodrigo Natali esclarece nesta edição!
 

Bem-vindo (a) a mais uma edição da Do Mercado!

Os fundos multimercado operam alocando seus recursos em diferentes classes de ativos, entretanto, de forma geral, eles são praticamente obrigados a estarem em posições otimistas, pois, o estoque de ativos brasileiros se beneficia quando a economia melhora.

Um exemplo disso é a bolsa de valores brasileira, a B3

Mesmo que seja possível ficar vendido em bolsa através de futuros, a classe de ativos na totalidade é comprada em bolsa, o mesmo se aplica para os títulos públicos.

O mercado financeiro custeia o governo através de títulos pré e pós-fixados, mas todo o mercado é comprado.

Mesmo que na categoria de fundos, eventualmente, (alguns) performem melhor ou pior, a regra é que a maioria deles sempre vai carregar posições pré ou posições de bolsas, ou com hedge no dólar, que atualmente se tornou uma coisa mais comum, ou alocações fora. 

Em geral, existe uma correlação entre essa indústria e o desempenho dos ativos brasileiros, isso é o parâmetro normal.

Hoje, estamos vivendo o anormal: diariamente em que o mercado melhora, praticamente metade dos fundos dos ativos maiores caem e os outros sobem.

E obviamente, o oposto também acontece!

Há uma parcela de pessoas que estão lucrando dinheiro quando o cenário piora, e, em contrapartida, a outra parcela está perdendo dinheiro, isso é incomum.

Esse é um movimento que tende a não se manter e o que está acontecendo com os preços, reflete esse comportamento. 

O canal de variação da bolsa está entre 102 mil e 108 mil pontos no câmbio e entre 4,55 e 4,70 no câmbio.

Todas às vezes em que esse movimento vai para cima, parecendo que vai romper, uma parcela das pessoas pode lucrar e, quando esse cenário reverte, o faz de forma rápida e parece que vai romper. 

Em um momento que sobe um pouco mais, parece que vai engatar em uma alta muito maior e quando cai, parece que vai despencar. Essa é uma grande mudança de sentimento.

Essa dinâmica de preço reflete duas parcelas do mercado que possuem cada qual opiniões diferentes.

Quando o mercado segue um lado, uma perde, e quando o mercado segue para outro, a outra perde, isso é: o contrário acontece quando o preço caminha na direção oposta

Eventualmente, quando chegar o determinado momento, esse cenário vai romper para um certo lado, e quem estiver ganhando com a posição irá progredir ainda mais.

Os fundos multimercados aqui no Brasil não podem perder essa dinâmica do tempo, e quem estiver na ponta oposta precisará zerar a posição, assim, alavancando o outro lado.

Supondo que o mercado comece a subir e que a bolsa rompa a barreira, em uma característica mais teórica de 108 a 110 mil pontos, todos os fundos com opostas pessimistas vão precisar comprar.

Este foi um ano muito ruim para a indústria, dezembro chegou, e a perda que aconteceu neste mês ficará marcada como o rendimento anual do fundo.

Isso significa que perder dinheiro durante o último mês do ano é algo preocupante.
Acredito que a alta é o que vai tendenciar, afinal, atualmente, há uma situação incomum: há diversos fundos vendidos e a indústria não aguenta ficar vendida por um longo tempo.

Caso esse movimento rompa, essa pode ser uma válvula para que esses fundos que estão fora ou, com posições pessimistas, tenham que voltar para o mercado dando mais peso. 

E com um movimento mais rápido de sinal indicado para cima, pode impulsionar, fazendo com que o mercado ande sozinho e com mais velocidade, caso esses pontos sejam rompidos.


Um abraço,


Rodrigo Natali.

Conheça o responsável por esta edição:

Rodrigo Natali

Estrategista-Chefe

Rodrigo Natali tem graduação e MBA pela FGV. É especialista em câmbio e macroeconomia, tem 25 anos de experiência no mercado financeiro, tendo passado por diversas instituições nacionais e internacionais onde exerceu a profissão de trader e gestor de fundos de investimento multimercado.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240