Resultados: Petrobras, Bradesco, Renner, Engie, Arezzo e Natura

6 de maio de 2022
Seguimos atentos aos balanços de resultados e no Relatório Especial de hoje, destacamos os principais desempenhos de Petrobras, Bradesco, Renner, Engie, Arezzo e Natura.

Ontem (5) tivemos mais uma série de importantes resultados divulgados. Na edição de hoje, trazemos como destaques, os balanços de Petrobras, Bradesco, Renner, Engie, Natura e Arezzo.

 

Petrobras (PETR4)

A petroleira apresentou números muito fortes. Na comparação com o 1T21, a geração de caixa operacional foi de 78 bilhões de reais, uma evolução de 6%, e o lucro registrado foi de 44 bilhões de reais, uma expansão de 79%. A Petrobras reduziu o endividamento e a métrica de dívida líquida sobre a geração de caixa ficou em 0,8x, um dos níveis mais baixos da companhia, que anunciou uma distribuição de dividendos de R$ 3,71 por ação.

Bradesco (BBDC4)

O segundo maior banco da América Latina divulgou seus resultados com um lucro líquido de 6,8 bilhões de reais, um crescimento de 3%, e um retorno sobre patrimônio (ROE) de 18%. A qualidade dos lucros foi razoável por conta do crescimento de 23% da provisão para devedores duvidosos.

Por outro lado, a instituição financeira conseguiu conter o avanço das demais despesas, como as com pessoal, negociando bastante descontado. Com relação ao seu histórico, atualmente, o banco negocia a 1 vez o seu patrimônio contábil e apenas a 6 vezes o lucro, o que observamos como barato já que sua média histórica é de 1,5 vez patrimônio e 11 vezes lucro.

Lojas Renner (LREN3)

Apesar de um ambiente ainda desafiador para o varejo de maneira geral, a Renner apresentou resultados acima do esperado com uma receita líquida de 2,6 bilhões de reais no trimestre, um avanço de 65% em relação ao primeiro trimestre de 2021, quando ainda sofria com os impactos da pandemia. Além disso, a empresa segue apresentando expansão em sua estratégia digital e viu suas vendas digitais crescerem 38% no período.

Apesar das pressões inflacionárias e maiores investimentos, a Renner conseguiu manter suas margens estáveis e reportou um lucro líquido de 191 milhões de reais, revertendo o prejuízo de 147 milhões no 1T21. Outro fator é que ela possui uma posição de caixa bastante confortável, o que evita impactos com despesas financeiras maiores por meio de uma taxa de juros mais alta, como é o caso de outras empresas mais endividadas.

Engie (EGIE3)

A receita líquida da Engie foi de 3 bilhões de reais no 1T22, sendo 6% inferior à receita no primeiro trimestre de 2021. A redução se deu por conta da menor geração total de energia elétrica no período, motivada por condições hidrológicas desfavoráveis e da venda das usinas do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, ocorrida no 4T21.

Apesar disso, a empresa surpreendeu positivamente ao apresentar um acréscimo de 22% em seu lucro líquido, chegando ao valor de 645 milhões de reais, aumentando sua margem líquida de 16% para 21%.

Arezzo (ARZZ3)

A Arezzo apresentou resultado muito forte no primeiro trimestre de 2022, reportando um incremento de 68% em sua receita líquida, além disso, a empresa viu seu lucro líquido mais que triplicar. Com isso, o resultado foi de 30 milhões de reais no primeiro trimestre de 2021 para 97 milhões de reais neste trimestre. A companhia segue crescendo em ritmo acelerado no trimestre e abriu mais 42 lojas e dobrou suas vendas no mercado externo, que hoje representam 12% de sua receita.

Natura (NTCO3)

O resultado do primeiro trimestre de 2021 foi muito ruim, com queda da demanda principalmente no Brasil e também em linhas de negócios mais baratas, como é o caso da Avon. A receita da Natura caiu 12,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Com isso, a companhia teve um prejuízo de 641 milhões de reais. Ela enfrenta uma série de dificuldades por conta da Covid-19 quanto pela compra da Avon em 2021, que tem prejuízos, fazendo com que a Natura ainda não tenha conseguido alterar os rumos da empresa.

 

Conclusão

Com as altas dos juros, muitas companhias estão passando por um momento diferente do que tínhamos visto desde 2018 e estão sofrendo, principalmente, com as despesas financeiras. Diante desse cenário, vemos empresas como a Natura tendo muita adversidade enquanto a Arezzo, por exemplo, segue no caminho contrário e vem surpreendendo positivamente.

 

João Abdouni, analista CNPI

Nota do editor: a distribuição de DIVIDENDOS pela Petrobras e outras empresas chama a atenção para esse tipo de investimento, que pode proporcionar excelentes retornos de forma recorrente. Na série Dividendos Extremos, o analista CNPI Nícolas Merola desenvolve uma estratégia para você investir nos “melhores ativos pagadores de dividendos” e fazer SEU dinheiro trabalhar por você. Clique aqui para conhecer.

Conheça o responsável por esta edição:

João Abdouni

Analista CNPI

Graduado em Contabilidade e administração pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, João possui grande experiência em auditoria contábil, trabalhando por anos na Ernst & Young, famosa empresa inglesa de consultoria. Apaixonado pelo mercado financeiro, integra o time de especialistas em investimentos da Inv e está à frente das séries Premium Caps, Ações Alpha dentre outras.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240